Saúde

Bebê golfinho sofre eutanásia após ser encontrado com lixo no estômago

Bebê golfinho sofre eutanásia após ser encontrado com lixo no estômago  (Foto: FWC Fish and Wildlife Research Institute)Lixo encontrado no estômago do animal (Foto: FWC Fish and Wildlife Research Institute)

Um filhote de golfinho foi encontrado na praia de Fort Myers, no estado norte-americano da Flórida, com uma grande quantidade de lixo no estômago, incluindo duas sacolas plásticas e metade de um balão. A equipe responsável pelo animal optou por fazer eutanásia, já que o animal estava extremamente magro e com graves problemas de saúde.

Leia também:
+ Estudo quer reduzir poluição de navios, que emitem 2% do CO2 global
+ Cobra com 3 olhos é descoberta na Austrália

"Embora seja uma descoberta significativa, há muitos fatores adicionais a serem considerados, como uma doença subjacente, [outra] doença e separação materna, antes que uma causa final de encalhe e morte do golfinho possa ser determinada", escreveram os especialistas em um comunicado no Facebook.

 (Foto: FWC Fish and Wildlife Research Institute) (Foto: FWC Fish and Wildlife Research Institute)

No entanto, a equipe afirmou que o caso "destaca a necessidade de reduzir o uso de plástico e não soltar balões no meio ambiente". Os mamíferos marinhos são bons sentinelas de como os humanos impactam o meio ambiente. Um estudo de 2018 descobriu que os microplásticos estão crescendo na dieta alimentar marinha – desde pequenos animais, como caranguejos e mexilhões, até espécies predadoras, como focas e baleias.

A União Europeia estima que mais de 80% do lixo marinho é plástico. Em 2015, um relatório mostrou que haviam mais de 5 trilhões de pedaços do material nos oceanos, estando 269 mil toneladas flutuando na superfície da água.

Curte o conteúdo da GALILEU? Tem mais de onde ele veio: baixe o app Globo Mais para ler reportagens exclusivas e ficar por dentro de todas as publicações da Editora Globo. Você também pode assinar a revista, a partir de R$ 4,90, e ter acesso às nossas edições.

Compartilhar Assine já!
Veja essa e outras matérias no site da Revista Galileu