Saúde

Papanicolau: conheça o criador do exame que detecta câncer de colo de útero

Papanicolau: conheça o criador do exame que detecta câncer de colo de útero  (Foto: Wikimedia Commons) (Foto: Wikimedia Commons)

Em 13 de maio de 1883 nascia Geórgios Papanicolaou, grego responsável por desenvolver os métodos até hoje utilizados para detecção de possíveis tumores malígnos no colo do útero e na vagina. O especialista se formou em medicina aos 15 anos e trabalhou no Exército dos Bálcãs, até imigrar para os Estados Unidos em 1913.

Quando chegou na América do Norte com a esposa Andromachi Mavroyenis, tinha só cerca de U$ 250 "o montante necessário para entrar nos Estados Unidos", de acordo com uma investigação da Associação Médica de Cingapura (SMA). Georgios vendia tapetes, tocava violino em restaurantes e Andromachi costurava botões por cinco dólares por semana. Isso aconteceu por um tempo, até Papanicolauo ser chamado pela Universidade de Cornell para trabalhar como pesquisador.

Leia também:
+ Câncer de mama: como fazer o autoexame
+ Inteligência artificial prevê câncer de mama cinco anos antes

Foi na instituição nova-iorquina que o médico e sua assistente, a esposa, desenvolveram o teste que o tornou um dos nomes mais fomosos da medicina. Ele se baseou nos estudos em que realizou com porquinhas-da-índia para desenvolver a técnica que é aplicada em humanos até hoje.

Para quem não sabe, o exame é simples: o ginecologista ou outro especialista responsável utiliza um espéculo para dilatar o canal vaginal e, com uma espátula, coleta algumas células do colo do útero. O material é então enviado para análise laboratorial e os resultados não tardam a chegar.

De acordo com os especialistas, o exame de papanicolau ajudou na redução de 70% dos cânceres causados por lesões, além de terem eficácia de 95% em tumores cervicais — importantes principalmente quando os nódulos ainda não podem ser observados a olho nu, pois aumenta a possibilidade de cura.

O Ministério da Saúde recomenda a realização do exame por mulheres maiores de 25 anos com vida sexual ativa. O ideal é fazer a coleta duas vezes por ano nos primeiros dois anos de realização do exame, e depois apenas uma vez a cada três anos.

Já no fim de sua carreira, Geórgios Papanicolaou foi nomeado duas vezes para o Prêmio Nobel, recebeu o Prêmio Albert Lasker de Pesquisa Médica Clínica em 1950 e teve seu retrato estampado na nota grega de 10 mil dracmas. O especialista morreu em 19 de fevereiro de 1962, aos 78 anos, vítima de um infarto.

Curte o conteúdo da GALILEU? Tem mais de onde ele veio: baixe o app Globo Mais para ler reportagens exclusivas e ficar por dentro de todas as publicações da Editora Globo. Você também pode assinar a revista, a partir de R$ 4,90, e ter acesso às nossas edições.

Compartilhar Assine já!
Veja essa e outras matérias no site da Revista Galileu